Tamanho da Fonte
  • P
  • M
  • G

HomeRevista Hoss


EDIÇÃO MARÇO 2014

Notícias

Taikô na inauguração de escritórios da Kyocera


No Japão feudal, um tipo de tambor (taikô) era frequentemente usado para motivar as tropas, ajudando a marcar o passo na marcha e anunciando comandos marciais. A tradição se manteve ao longo dos séculos e ainda hoje o instrumento é usado para marcar eventos e cerimônias importantes. E foi com uma bela apresentação de um grupo de taikô que a Kyocera Document Solutions Brazil inaugurou seus escritórios na cidade paulista de Santana do Parnaíba. O evento foi no dia 6 de fevereiro e contou com as ilustres presenças de Yukio Ikeda (vice-presidente da empresa no Japão), Elvis Cezar (prefeito da cidade) e de representantes do consulado do Japão.


O engenheiro responsável pela obra foi Fabio Tardivo Ruggi, que explicou que o principal desafio da equipe foi o curto prazo para a realização, com um cronograma de apenas dois meses, o que demandou um planejamento inicial bastante detalhado com os principais pedidos e fornecedores fechados logo no começo. Com bons incentivos fiscais, municípios como Santana de Parnaíba e Barueri vêm atraindo grandes empresas para a região, como esta fabricante de copiadoras, impressoras e multifuncionais.

Equipe satisfeita na obra da Toyoda Koki


A nova fábrica da Toyoda Koki na cidade paulista de Itu apresentou particularidades interessantes na execução do projeto. Com três pontes rolantes e grande área externa, teve como diferencial a construção de uma grande caixa de retardo de águas pluviais para suprir as necessidades de captação em caso de grandes precipitações. “Apesar do prazo apertado, foi uma obra tranquila, com a sequência de serviços sendo cumprida, sem nenhuma ocorrência de acidentes e com a satisfação de toda a equipe, marcantemente dedicada”, comemora Horácio Tamashiro, engenheiro responsável pela obra. A Toyoda Koki fabrica máquinas de fresa e tornos para montadoras, em especial para a Toyota.


Agricultura na Fazenda Soberana


O mais recente projeto de aproveitamento do espaço na Fazenda Soberana foi a plantação de uma vasta área de milho. Foi o segundo ano da iniciativa, que havia sido muito bemsucedida na experiência anterior. No entanto, a escassez de chuvas comprometeu a produção e a colheita não apresentou a qualidade esperada. Mas como o foco é evitar o desperdício, a safra não está perdida. O milho poderá sim ser utilizado. Após um processo de esmagamento e conservação em silos, ele deve ser aproveitado para a alimentação de gado.