Tamanho da Fonte
  • P
  • M
  • G

HomeRevista Hoss


EDIÇÃO ABRIL 2017

Notícias

Torneio de softbol


Muitas vezes um bom relacionamento de negócios pode se estender para um vínculo além do profissional. E é com satisfação que podemos afirmar que isso ocorre com frequência entre a HOSS e diversos clientes. Assim destacamos aqui um evento recente que mostra uma dessas amistosas ligações. No dia 28 de janeiro, um sábado ensolarado, funcionários da HOSS e do cliente Aisin (produtora de autopeças) participaram de um animado torneio de softbol na cidade de Ibiúna. O lugar escolhido foi o centro de treinamento da Yakult, um projeto da HOSS de 1999.

O complexo esportivo é referência no Brasil e conta com um campo principal com arquibancadas, um campo aberto de treino, área de treinamento coberta, quadra poliesportiva, piscina semiolímpica, alojamentos, um prédio multiuso e áreas administrativas. Cada time participou com 14 jogadores e as posições foram determinadas durante o jogo. Foram duas rodadas e em ambas a equipe adversária saiu vitoriosa. Após o jogo houve um delicioso almoço de confraternização no refeitório do campo. “Foi um dia divertido e que agradou a todos. Uma experiência maravilhosa, que certamente repetiremos”, revela Tatsuo Tokuni, assessor da Diretoria.

Prevenção contra o HIV


As estatísticas comprovam: no festivo período do Carnaval o índice de contaminações por doenças sexualmente transmissíveis aumenta, seja pelo descuido ou pela falta de informação. E desta forma as campanhas de prevenção são importantes para diminuir os riscos para toda a população. Pensando no bem estar dos colaboradores com quem atua diariamente, o técnico de Segurança Antônio Donizete da Rosa propôs a realização de uma ação de conscientização sobre o HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis, envolvendo os 18 funcionários da obra da Igreja Messiânica Mundial do Brasil (sede central). A ideia foi bem-vinda e o resultado teve o efeito esperado, transmitindo informações úteis e importantes sobre o assunto. “Sempre me interessei por palestras de prevenção para a saúde do trabalhador. E esse tema específico é um tabu tão grande que merece uma atenção especial e deveria ser abordado em todas as obras”, afirma Donizete, que buscou os materiais informativos, montou um local apropriado na própria obra e organizou o bate-papo. “Minha satisfação foi ver toda equipe participando, com várias perguntas e atentos a tudo”, revela. Donizete ressalta o apoio da esposa em suas iniciativas, sempre o incentivando em sua preocupação com os colegas da equipe, que afinal se tornam quase uma família.

“Atitudes como essa do Donizete são admiráveis, pois mostra claramente que estamos nos importando com o próximo. Não somente com a segurança no trabalho,

Momento de despedida


Mais um estagiário que encerra seu ciclo conosco. Um momento triste de despedida, mas feliz na grande experiência que deixa para todos. Dentro de nosso projeto de ajudar no intercâmbio cultural de estudantes japoneses aqui no Brasil, recebemos em abril de 2016 jovem Toru Shimizu, estudante de letras que veio conhecer um pouco mais do nosso idioma e da nossa cultura. Atuou no escritório da matriz, auxiliando a equipe com seus conhecimentos da língua japonesa, principalmente no departamento comercial, realizando traduções, elaborando textos e atendendo aos clientes japoneses.

“Sua adaptação ao Brasil não foi de imediato, principalmente no aspecto alimentar e no idioma. Mas foram barreiras superadas aos poucos, convivendo com os colegas de trabalho e nas inúmeras saídas e passeios dos quais participou. Gostava de praticar esportes com o pessoal do escritório, o que ajudou no processo de interagir com grupo e de se inserir aos poucos em nossa cultura”, revela o diretor Mamoru Otaki, que acompanhou de perto o trabalho do estagiário. “Acredito que fez muitas amizades e que tomou gosto pelo Brasil, uma experiência que tocou profundamente o seu coração, resultando na difícil despedida”, avalia.


A despedida do Toru foi pensada com muito carinho e teve um grande envolvimento dos departamentos de RH e do Comercial. Convidamos os responsáveis da Associação Nipo-Brasileira de Intercâmbio para prestigiar o evento. De presente levou para o Japão um álbum de fotografias de vários momentos de sua passagem por aqui, dentro e fora da construtora. “Cada nova chegada de estagiários é uma experiência única que vivemos. Apreciamos esse intercâmbio, que só nos enriquece. É um aprendizado é contínuo e já esperamos ansiosamente pela próxima candidata”, comemora a assistente comercial Laurita Eguchi. Que seja bem-vinda!

Avaliando os treinamentos

Nossos diretores Carlos Matsumoto, Yukio Kotake, Marcelo Takahashi e Walter Kitabayashi relatam um pouco sobre os encontros mensais promovidos para os engenheiros, com o objetivo de discutir assuntos técnicos e administrativos com foco na obra e nos padrões de atuação da HOSS. “Estamos passando por um período de crise no mercado da construção, no qual obviamente a concorrência está cada vez mais acirrada. Para superar esse obstáculo, é importante o aumento da produtividade de cada atividade, a partir de um correto planejamento, do controle dos gastos e da garantia da boa qualidade do produto a ser entregue. Isso está sendo fundamental para a nossa sobrevivência.

Esses treinamentos estão sendo um dos pilares mais importantes em nossa atual estratégia. Nós, diretores da HOSS, alinhamos os padrões da empresa de forma a fazer com que toda a equipe “fale a mesma língua”. Nesses encontros contamos com a participação da maioria dos engenheiros de obras, não só da matriz em São Paulo, mas com a inclusão das filiais Sumaré e Manaus.

Todo o material apresentado nos treinamentos está sendo compilado e armazenado em arquivos eletrônicos, que poderão ser consultados pela equipe e novamente utilizados em futuros treinamentos para os engenheiros que não tiveram oportunidade de participar desses e eventuais novos contratados. Os temas dos encontros são os mais variados e ressaltam para os engenheiros o nosso padrão de trabalho, fortalecendo a maneira HOSS de atuar em pontos como os custos da obra, os controles das verbas, a criação de cronogramas e a conciliação da qualidade e do prazo com o custo, entre outros. No momento ainda não é possível avaliar o resultado pleno da iniciativa, mas já conseguimos perceber alguns efeitos positivos na prática. É certo que esses eventos estão servindo para abrir um diálogo na equipe sobre os diversos assuntos relacionados”.