Tamanho da Fonte
  • P
  • M
  • G

HomeRevista Hoss


JUNHO 2016

Destaques

Em constante aprendizado

Mineiro de Cambuí, o técnico de segurança Fabrício Ferreira veio para a capital Paulista em busca de emprego em sua área e logo a HOSS entrou em seu caminho. Nascia aí uma história profissional que vem sendo escrita há pouco mais de cinco anos, com as experiências acumuladas em obras espalhadas por diversas cidades entre os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, uma trajetória marcada por muito aprendizado e desafios.

É gostoso ouvir como ele fala com conheciorgulho de suas funções. Dá para notar que trabalhar com segurança é uma satisfação pessoal que o leva a investir nos estudos e na busca por especialização. Além do curso técnico tradicional, formou-se também em gestão ambiental e como bombeiro civil, e não pretende parar por aí. Casado há quatro anos com a enfermeira Karen, nos finais de semana larga a correria dos alojamentos e das obras e volta para casa para curtir momentos em família e descansar em sua cidade natal.

Empenho reconhecido

José Givanildo da Silva, o Pará, é um cara esforçado e vem conquistando seu espaço na construtora graças ao seu empenho. Na equipe há quase dois anos, ele começou na função de carpinteiro e atualmente está no cargo de feitor.

Natural da Paraíba, está longe de casa por causa das obras para as quais tem sido destacado. Mas nas folgas volta ao lar para matar as saudades da família: a esposa Francisca e os filhos José Júnior e Maria Tereza. Nas horas vagas gosta de fazer atividades para manter o corpo em forma, como as partidas de futebol com os amigos. Valoriza o bem-estar e uma vida saudável e há anos se tornou um fiel doador de sangue, ato nobre que procura incentivar entre os colegas. Para quem tem receio, manda um aviso: “Não tenha medo em ajudar o próximo. É maravilhoso saber que podemos salvar uma vida!”

O novo estagiário

A HOSS tem auxiliado um projeto de intercâmbio cultural que traz estudantes japoneses para vivenciar uma rica experiência no Brasil, oferecendo vagas de estágio para esses jovens. Foi assim que recebemos em abril Toru Shimizu, estudante de letras de 20 anos que chega em busca de ampliar seus conhecimentos da cultura brasileira e do nosso idioma e de quebra poderá ajudar o pessoal do escritório com seus conhecimentos da língua japonesa.

Ele se define como uma pessoa tímida, mas em pouco tempo já se ambientou bem e está bem-relacionado com a equipe. Conta que sua expectativa é o crescimento pessoal e o desenvolvimento de muitas amizades. Interessado na música brasileira, ele quer aprender a tocar pandeiro e diz que no tempo livre gostaria de surfar e praticar boxe. Voluntários para ajudá-lo ou fazer companhia?